sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O irmão mais velho


Quem tem irmão mais velho vai entender sobre o que vou falar. Sabe irmão mais velho?
Aquele que lhe bate escondido do pai e da mãe. Te belisca. Faz tortura psicológica. O seu pavor é quando sua mãe diz assim: - Fulano vai brincar e cuida do teu irmão. Isso é a assinatura de uma sentença de tortura caneteada pelo ser que mais te ama, sua mãe. Porque sei lá por que cargas d’águas nossos pais nunca sabem o que acontece entre os irmãos.

Irmão mais velho tem disso. Não gosta da gente desde o nascimento. Ainda mais se antes da nossa presença ele era o xodó da família. Ser deixado de lado o incomoda. Ter que repartir brinquedos, entregar as roupas que nem lhe cabem mais, dói demais. É como se de repente, após anos de sonegação fiscal, o leão tributário confiscasse todos os seus bens. E com leão, só de espingarda. Há uma submissão tácita, acordo unilateral, manda o maior, apanha o menor. Sem negociação. A não ser que você dê alguma coisa que ele precisa, tipo o pacote de bolachas recheadas que você acabou de ganhar no supermercado.

Hoje almocei em um restaurante, pequenino, quase um bistrô, em frente a um hospital de Porto Alegre. Trabalho ali perto. Como era de se esperar, tal local recebe vários profissionais da saúde. Médicos, enfermeiros, além do pessoal administrativo. Como disse, o lugar é pequeno mesmo, deve ter lugar pra umas trinta pessoas no máximo. É um restaurante com uma comida deliciosa. Caseira. Conheço os donos. Italianos. Cozinheiros de mão cheia. Adoro o arroz doce que a dona prepara de sobremesa. Um dia ainda vou lá só pra me dar o luxo de comer somente sobremesa. Vou me esbaldar no manjar branco dos deuses, regado a canela em pó.

Pois bem, lugar pequeno tem uma vantagem, o pessoal meio que se sentam tudo junto. É a sociabilização na hora do almoço. Servi-me e fui sentar na área externa. Comigo duas meninas do hospital conversando frivolidades. Logo, logo, senta à minha frente um rapaz dos seus vinte e poucos anos. De cara constatei ser médico. Falava ao telefone sobre um dos seus pacientes. Era bem apessoado. Um cara elegante apesar de novo. Me bateu uma pontinha de inveja. Imaginei-me ali, no lugar dele. Sim, antes de me aventurar pelas palavras, andei por três anos na escola da cura. Ia me formar médico. Quis o destino trocar bisturi por caneta. Porém, a medicina sempre está a me espreitar.

Comecei a observar a mesa em que me encontrava. Engraçado, as pessoas comem à mesma mesa, mas não trocam sequer um olhar, um ‘bom apetite’ que seja. Estava imerso em meus pensamentos, quando fui acordado por uma jovem, médica, imagino eu, que chegou para falar com o rapagão. Chegou e lascou um beijo demorado nele. Já havia notado a aliança na mão esquerda do rapaz. Inclusive achei muito novo pra estar casado, mas. A moça se chegou, e logo notei algo realmente incrível. O rapaz estava sentado à minha frente, ao lado das duas moças que almoçavam à mesma mesa. Separados unicamente por uma cadeira vaga. Pois então, o primeiro ato da esposa (acho) do médico foi sentar-se entre ele e as meninas, de costas para elas óbvio. Ri por dentro daquilo. Como uma leoa demarcando território a menina tratou logo de definir que aquele macho era seu. Beijos e mais beijos, entremeados por uma meia dúzia de palavras, deixavam claro que não havia a mais remota possibilidade de dividir seu marido com aquelas duas. Onde já se viu? Ela não deixaria. Isolou-as com um simples sentar de costas.

O mais interessante é que reparei que a atitude da jovem foi espontânea, acredito quase inconsciente. O ciúme aprisiona, separa, é egoísta. Ciúme é sentimento de posse, diferente do amor, que quer liberdade. Ciúmes e amor não se comprazem.

O ciúme é o irmão mais velho do amor.

2 comentários:

juliana disse...

Ciúmes(em excesso) e pocessividade é o início do fim de um relacionamento,um caminho sem volta,tão bom viver um amor tranquilo,sereno,companheiro!!!
Bjos Luuuu!!

Gilda disse...

Porque será que em um relacionamento sempre há,de uma das partes ou de ambas,o sentimento de posse??
Mesmo que bem discreta sempre acontece e isso é um inicio de um grande problema no relacionamento,pois pode levar ao extremo do ciúmes que é o pior sentimento na minha opinião.
Bjssss