terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

O desembarque



Hoje é carnaval. Feriadão. Aí é que está. Eu não gosto de carnaval. Nunca apreciei muito. Só era bom quando estava rodeado de amigos na rua, tomando uma cerveja e escutando trio elétrico. Não vejo graça em ficar pulando que nem pipoca numa panela gigante sem ritmo, direção e sentido. Pior é carnaval de salão. Você chega a afundar o chão dando voltas e mais voltas em torno do nada, escutando marchinhas da época em que nem era nascido.

Esse ano o carnaval foi diferente. Houve o desembarque. Fiquei um mês ensaiando o desfile com você. Nossos dedos afoitos dedilhavam pelo teclado do computador, tal qual o maestro da bateria afinando os instrumentos para o desfile da escola. Tecemos alegorias, costuramos as fantasias (muitas das quais realizadas na avenida dos nossos lençóis), desenhamos carros alegóricos dos passeios realizados na cidade vazia para nós, alinhamos passistas e portabandeiras a sambar num ritual de aproximação dos nossos corpos. Enfim, fizemos todos os ensaios para colocar a agremiação carnavalesca no sambódromo. Tínhamos uma certeza. Seríamos campeões.

Esperei, ansiosamente, na arquibancada, a entrada da escola. Veio dos céus. Como um pássaro gigante alardeando o abrealas, ela surgiu, sobrevoando o céu da minha cidade de fantasia. Cada volta no ar era um bloco contando a nossa história de amor. Meu coração disparou ao encerrar o desfile na pista de pouso e ao te ver descer para confirmar a nota máxima do júri. Cada passo teu em direção ao saguão do aeroporto era um ‘DEZ’ anunciado pelo júri.

Ao aproximar-se para pegar tua mala na esteira das bagagens, ao misturar-se com os demais foliões passageiros o teu brilho reluzia mais e mais forte, como a anunciar a vitória, o destaque entre todas as escolas. Era a madrinha da escola que irradiava luz e alegria como a prenunciar um jubilo merecido após tanta espera e trabalho.

Ao passar pela porta automática do setor de desembarque, ao me avistar, ao nos beijarmos calorosamente sem sequer ter trocado uma única palavra, deu-se a confirmação da vitória na avenida. Fogos de artifício lançaram-se ao céu como a gritar a vitória do nosso amor. A vitória da nossa escola. O desembarque.

2 comentários:

Juliana disse...

Lu,sse foi o melhor carnaval da minha vida e vai ficar gravado na nossa história,o tempo foi curto,mas valeu por cada segundo vivido....
Te adoro cada dia mais!!

Juliana disse...

Não sei como seria essa festa carnavalesca sem essa apoteose que é você no meu mundo...
Bjossss bb!!